Jovens Igreja do Deus Forte

Parábola do Camelo e do Jovem Rico

Foi a recusa do jovem rico, de desistir de suas posses que tanto amava e seguir a Cristo, que trouxe à tona essa arrebatadora figura de linguagem de um camelo que tenta abrir caminho através do buraco de uma agulha. Jesus procurava ensinar aos seus, por meio dessa imagem parabólica, que a riqueza pode afetar a personalidade, como se fosse um vírus. Deve-se ter em mente que Jesus não disse que os ricos não podem entrar no reino de Deus, e sim, que, para eles, isso se torna muito difícil, em razão do poder que as suas riquezas exercem sobre eles. E Cristo então usa essa ilustração que tem aparência de algo impossível. (Mc 10:17-31; Lc 18:18-30).
Comenta-se que nosso Senhor usou uma expressão proverbial que denotava literalmente algo impossível; porém figuradamente muito difícil (uma dificuldade tão grande que poderia ser comparada a um camelo que tenta passar pelo buraco de uma agulha). Esse toque de humor deve ter feito os discípulos sorrir. Há uma explicação a qual diz que o “fundo da agulha” referia-se ao arco menor de um portão, ou porta, através do qual um camelo só poderia passar, se estivesse livre de qualquer carga. Porém é mais fácil aceitar que o Senhor criou essa ilustração, para provar quanto se torna difícil para o que é rico em bens materiais, porém, pobre na graça, entrar no seu reino. Os discípulos podem ter pensado que os ricos estão menos expostos a tentações; mas Jesus disse o contrário. Os homens deveriam temer mais a riqueza do que a pobreza. A riqueza pode levar ao orgulho, à preguiça e ao poder egoísta. O jovem possuía riquezas, mas não tinha tudo. Faltava-lhe o bem mais essencial de todos — a vida eterna. O rico de outra parábola foi para o inferno, não por ser rico, mas por negligenciar a salvação de sua alma.
Os discípulos ficaram grandemente admirados e perguntaram por meio de Pedro: “Nós deixamos tudo, e te seguimos! O que, então, haverá para nós?” Eles almejavam alguma recompensa, pois viviam voluntariamente na pobreza. Mas é errado e perigoso olharmos para o nosso sacrifício e questionarmos sobre o pagamento que nos é devido. “O amor não reivindica, nem demanda pagamento —especialmente quando ele deve infinitamente mais do que aquilo a que tem direito”. A glória da vida não está em receber, mas em dar. E no entanto Jesus nos garante que todo o que renuncia ao que tem, por sua causa, será recompensado.

 

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s