Jovens Igreja do Deus Forte

É Pecado Julgar?

Quero compartilhar alguns textos acerca do julgar de forma bíblica, que não é pecado. O pecado está em julgar de forma inadequada e sem os princípios bíblicos, ou julgar de forma hipócrita. Esse sim é o pecado. Vejamos:

“Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça” (Jo 7:24)

“Falo como a entendidos; julgai vós mesmos o que digo” (1Co 10:15)

“Julgai entre vós mesmos…” (1Co 11:13)

Em primeiro lugar, o próprio apóstolo Paulo não tinha medo de ser julgado pelas pessoas, tanto que ele mesmo dá uma ordem: me julguem, mas usem a Escritura para isso! (1Co 10:15)

Por isso não é errado julgar, mas a Bíblia deve ser a medida desse julgamento.

Em segundo lugar, o apóstolo João confirma a mesma idéia ao afirmar que no julgamento não devemos utilizar os nossos conceitos pessoais e particulares, mas a Escritura, que é a “reta justiça”. Pode-se julgar sim, mas deve-se utilizar a Escritura para isto (Jo 7:24).

A condenação bíblica está relacionada a julgar sem ter condições para isto, e esta condição diz respeito a integridade e hipocrisia. Também, se o parâmetro bíblico for utilizado poderá haver julgamento sim. Pelo menos quem diz isso são dois apóstolos, João e Paulo. E olha que João é o apóstolo do amor.

Mateus 7:1-13

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.”

Vamos fazer algumas observações neste texto, tão utilizado e tão mal interpretado:

1) Quem julga deve estar preparado para ser julgado também: “Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados”.

A questão é que o texto é bastante claro ao afirmar que este julgamento – para quem julga – não vem de Deus mas da própria sociedade, pois está escrito: “vos hão de medir a vós” (v.1).

2) A medida que os outros usarão conosco é a mesma que usamos também: “com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós”.

As pessoas irão observar quais critérios que utilizamos para fazer o nosso julgamento, e irão utilizar os mesmos critérios conosco (v. 2).

3) O julgamento não pode ser hipócrita: “tira primeiro a trave do teu olho”.

O problema não é o julgamento em si, mas a hipocrisia de quem julga uma causa quando está cometendo o mesmo erro (v. 3,4).

4) Corrija primeiro os seus próprios erros e assim poderá julgar os outros: “então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.

Observe que no final Jesus não manda não julgar nem deixar o argueiro no olho do irmão. JESUS MANDA TIRAR O ARGUEIRO. Isto é, JULGAR DE FORMA ADEQUADA! Por isso não é errado julgar. É pecado julgar quando se comete o mesmo erro (v.5).

Como não ensino as heresias que reprovei anteriormente, posso com respaldo bíblico julgar este caso sim. Mas devo saber que muitos irão me julgar por isso também, como a própria Escritura afirma e como já está acontecendo exatamente agora.

Não tenho medo de julgamentos, desde que sejam feitos com a Bíblia como medida e padrão.

Por útlimo, só um esclarecimento importante: JULGAR É DIFERENTE DE ACUSAR!

“Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas?” 1 Coríntios 6:2

Fonte: NAPEC

Anúncios

Uma resposta

  1. Pra mim é uma questão de referencia na lei ou na graça. Quem se referencia a lei é um ser moral, com discurso moralista e com pedras nas mãos como os religiosos fariseus da época de Cristo que queriam apedrejar a mulher adultera. Cristo nunca teve discurso moralista, jamais atacou pecadores e até aceito o título de amigo de publicanos e pecadores pois os doentes é que precisam do remédio, veio chamar pecadores e não justos ao arrependimento. Quem se referencia na graça sabe que na cruz de Cristo, ao contrario da lei há perdão para o pecador, então conta a ele as boas novas de salvação e mesmo que ele não aceite não o julgam pois não somos juízes dos homens na verdade somos devedores a eles do amor. Deus não constitui a igreja para julgar o pecador, alias quem não tem pecado nenhum seja o primeiro a atacar um homossexual. Quem convence do pecado é o Espírito Santo e não homens. O problema é que as instituições evangélicas se tornaram imitadores dos fariseus e não de Cristo. Misturam graça e lei opostos entrei si. João 12:47 Se alguém ouvir as minhas palavras e não as guardar, eu não o julgo; porque eu não vim para julgar o mundo, e sim para salvá-lo. Romanos 13:8 A ninguém fiqueis devendo coisa alguma, exceto o amor com que vos ameis uns aos outros; pois quem ama o próximo tem cumprido a lei. Gálatas 6:10 Por isso, enquanto tivermos oportunidade, façamos o bem a todos, mas principalmente aos da família da fé. “façamos o bem a todos” inclusive aos homossexuais!

    25/01/2013 às 05:34

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s