Jovens Igreja do Deus Forte

Posts com tag “apóstolos

É Pecado Julgar?

Quero compartilhar alguns textos acerca do julgar de forma bíblica, que não é pecado. O pecado está em julgar de forma inadequada e sem os princípios bíblicos, ou julgar de forma hipócrita. Esse sim é o pecado. Vejamos:

“Não julgueis segundo a aparência, mas julgai segundo a reta justiça” (Jo 7:24)

“Falo como a entendidos; julgai vós mesmos o que digo” (1Co 10:15)

“Julgai entre vós mesmos…” (1Co 11:13)

Em primeiro lugar, o próprio apóstolo Paulo não tinha medo de ser julgado pelas pessoas, tanto que ele mesmo dá uma ordem: me julguem, mas usem a Escritura para isso! (1Co 10:15)

Por isso não é errado julgar, mas a Bíblia deve ser a medida desse julgamento.

Em segundo lugar, o apóstolo João confirma a mesma idéia ao afirmar que no julgamento não devemos utilizar os nossos conceitos pessoais e particulares, mas a Escritura, que é a “reta justiça”. Pode-se julgar sim, mas deve-se utilizar a Escritura para isto (Jo 7:24).

A condenação bíblica está relacionada a julgar sem ter condições para isto, e esta condição diz respeito a integridade e hipocrisia. Também, se o parâmetro bíblico for utilizado poderá haver julgamento sim. Pelo menos quem diz isso são dois apóstolos, João e Paulo. E olha que João é o apóstolo do amor.

Mateus 7:1-13

“Não julgueis, para que não sejais julgados. Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados, e com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós. E por que reparas tu no argueiro que está no olho do teu irmão, e não vês a trave que está no teu olho? Ou como dirás a teu irmão: Deixa-me tirar o argueiro do teu olho, estando uma trave no teu? Hipócrita, tira primeiro a trave do teu olho, e então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão.”

Vamos fazer algumas observações neste texto, tão utilizado e tão mal interpretado:

1) Quem julga deve estar preparado para ser julgado também: “Porque com o juízo com que julgardes sereis julgados”.

A questão é que o texto é bastante claro ao afirmar que este julgamento – para quem julga – não vem de Deus mas da própria sociedade, pois está escrito: “vos hão de medir a vós” (v.1).

2) A medida que os outros usarão conosco é a mesma que usamos também: “com a medida com que tiverdes medido vos hão de medir a vós”.

As pessoas irão observar quais critérios que utilizamos para fazer o nosso julgamento, e irão utilizar os mesmos critérios conosco (v. 2).

3) O julgamento não pode ser hipócrita: “tira primeiro a trave do teu olho”.

O problema não é o julgamento em si, mas a hipocrisia de quem julga uma causa quando está cometendo o mesmo erro (v. 3,4).

4) Corrija primeiro os seus próprios erros e assim poderá julgar os outros: “então cuidarás em tirar o argueiro do olho do teu irmão”.

Observe que no final Jesus não manda não julgar nem deixar o argueiro no olho do irmão. JESUS MANDA TIRAR O ARGUEIRO. Isto é, JULGAR DE FORMA ADEQUADA! Por isso não é errado julgar. É pecado julgar quando se comete o mesmo erro (v.5).

Como não ensino as heresias que reprovei anteriormente, posso com respaldo bíblico julgar este caso sim. Mas devo saber que muitos irão me julgar por isso também, como a própria Escritura afirma e como já está acontecendo exatamente agora.

Não tenho medo de julgamentos, desde que sejam feitos com a Bíblia como medida e padrão.

Por útlimo, só um esclarecimento importante: JULGAR É DIFERENTE DE ACUSAR!

“Não sabeis vós que os santos hão de julgar o mundo? Ora, se o mundo deve ser julgado por vós, sois porventura indignos de julgar as coisas mínimas?” 1 Coríntios 6:2

Fonte: NAPEC

Anúncios

Apó$toLobo$

Por Renato Vargens
Acredita-se que no mundo existam cerca de 10 mil “apóstolos”. Na verdade, nunca se viu tantos apóstolos como neste inicio de século. Em cada canto, em cada esquina, em cada birosca encontramos alguém reivindicando o direito de ser chamado de apóstolo. Junta-se a isso, o fato de que com o surgimento deste tipo de “ministério” surge a reboque o aparecimento de inúmeras heresias. Isto sem falar  é claro, na ênfase que estes profeteiros dão ao dinheiro. Veja por exemplo o apóstolo Silvio Ribeiro de Porto Alegre, que usa $ no cinto da calça. (clique na foto para ampliar)
Pois é, sinceramente confesso que eu gostaria de saber porque o “apóstolo” Silvio usa um $ no cinto da calça! Será que é um tipo de decreto espiritual para atrair riquezas e prosperidade? Ou será tipo de “mandinga gospel”?

Fico a pensar como seria se Pedro, Paulo e Tiago e os demais apóstolos vivessem entre os “apóstolos” do século XXI. Possivelmente seriam estigmatizados, desqualificados e repudiados por sua incapacidade em realizar ou decretar atos sobrenaturais de fé, como também confrontados pelos profetas da confissão positiva pelo fato de terem fracassado financeiramente.

Caro amigo, por favor, pare, pense e responda: Por acaso eram os apóstolos ricos? Possuíam eles as riquezas deste mundo? Advogaram o ensino de que todo discipulo de Cristo deve ser rico? Ora, se fosse realmente verdade o que ouvimos e lemos dos bispos, apóstolos, paipostolos e mercadores da fé que Deus quer que os seus filhos tenham sucesso e riquezas, então porque Ele não fez que Jesus nascesse numa família extremamente rica? Porque então Ele não escolheu doze apóstolos milionários, ou pelo menos não lhes conferiu riquezas? Não seria muito mais fácil conquistar o mundo assim?

Prezado leitor, vamos combinar uma coisa? Os apóstolos modernos fundamentam suas doutrinas em pressupostos absolutamente anti-bliblicos. Para justificarem seus gastos pomposos, afirmam que Jesus era rico, que suas roupas eram nobres, que o burrinho usado na entrada de Jerusalém era novo, e que tinha muito dinheiro na bolsa do tesoureiro.

Infelizmente diferentemente dos apóstolos do primeiro século estes falsos profetas gloriam-se de suas megas igrejas, de suas riquezas, sucessos e popularidade. Lamentavelmente essa corja religiosa se comporta como celebridades desfilando por esse “Brasil de meu Deus” com seus carros blindados, cercados de seguranças, pregando um evangelho absolutamente mercantilista.

Pois é meus amados irmãos, dias complicados os nossos! Diante do exposto acredito piamente que os conceitos pregados pelos reformadores precisam ser resgatados e proclamados a quantos pudermos. Sem sombra de dúvidas necessitamos desesperadamente de uma nova reforma, por que caso contrário a vaca vai para o brejo.

Confesso que esse triunfalismo neopentecostal já passou dos limites. Lamentavelmente esse tipo de gente, só fala, pensa e deseja fama e poder. Para piorar a situação seus slogans não falam de serviço e sim de triunfo; não falam de lavar os pés dos santos, mas de conquistar o mundo; não falam de sofrimento, mas de vitória sobre a pobreza; não falam de humildade e sim de luxúria.

Há pouco fiquei sabendo da história de um pastor que foi a um restaurante participar de uma reunião de ministros do evangelho. Como, ele não estava almoçando como os demais, um apóstolo lhe perguntou: “Por que você não está comendo? O pastor meio sem graça respondeu dizendo que estava em jejum. Para supresa dele, o tal apóstolo replicou dizendo:  – “eu sou apóstolo, eu te libero do seu Jejum!”

Caro leitor, que loucura é essa? O que essa corja pensa que é? Esses apóstolos se sentem acima do bem e do mal. Será que eles de fato pensam que possuem este poder todo?

Ao final da tarde, com a alma angustiada em virtude deste evangelho de vergonha  pregado pelos apóstolos brasileiros, assisti um vídeo do Pr. John Piper que muito falou ao meu coração, o qual reproduzo abaixo.

Que Deus tenha misericórdia de cada um de nós!

Fonte 1
Fonte 2


Últimos Dias

Daniel Souza